Análise do processo de ensino-aprendizagem com discentes surdos no ensino de ciências: uma revisão dos trabalhos publicados na área na última década

  • Priscilla Gaia de Andrade
  • Juliane Cristina Molena
  • Estéfano Vizconde Veraszto

Resumen

Este trabalho buscou os principais desafios enfrentados pelos docentes ao mediarem conceitos científicos aos alunos surdos ao longo do processo de ensino-aprendizagem. Através do levantamento bibliográfico de artigos publicados nos últimos dez anos na área, a pesquisa objetivou verificar as concepções docentes acerca da educação especial e inclusão escolar; levantar os desafios enfrentados pelos docentes durante o processo de ensino-aprendizagem com discentes surdos; refletir acerca dos desafios encontrados e propor alternativas que poderiam vir a ser aplicadas na formação docente e no aprendizado de conteúdos científicos pelos discentes surdos. A pesquisa foi embasada em pressupostos qualitativos de Análise de Conteúdo, que permitiram uma sistematização dos dados coletados, interpretação, categorização das informações apresentadas junto a eixos temáticos que foram pautados nos objetivos. Também foram feitas análises dos desafios encontrados, sendo eles: a formação inicial e continuada, comunicação em Libras e Português, função do intérprete na sala de aula, escassez de materiais que investigam simultaneamente o ensino de ciências para discentes surdos, e a divergência política. Os resultados da investigação sugerem que o desafio maior ainda é encontrar estratégias eficientes para o ensino de ciências aos discentes surdos. Mesmo existindo propostas alternativas, ainda faltam propostas mais consistentes e próximas da realidade dos alunos surdos e sua cultura.

Citas

Amaral, L. A. (2002). Diferenças, estigma e preconceito: O desafio da inclusão. Em M. K. Oliveira, D. T. R. Souza e T. C. Rego (Orgs.), Psicologia, educação e as temáticas da vida contemporânea (pp. 233-248). São Paulo: Moderna.
Azanha, J. M. P. (2006). Proposta pedagógica e autonomia da escola. Em Azanha, J. M. P. (Ed.), A formação do professor e outros escritos (pp. 87-104). São Paulo: Senac São Paulo.
Bardin, L. (1991) Análise de Conteúdo. Trad.: Reto, L.A. e Pinheiro, A. Primeira Edição. Lisboa: Edições 10.
Borges, F. A., e Costa, L. G. (2010). Um estudo de possíveis correlações entre representações docentes e o ensino de ciências e matemática para surdos. Ciência e Educação, Bauru, 16(3), 567-583.
Bueno, J. G. S. (2008). As políticas de inclusão escolar: uma prerrogativa da educação especial? Em J. C. S. Bueno, G. M. L. Mendes, e R. A. Santos, R.A. (Orgs.), Deficiência e escolarização: novas perspectivas de análise (pp. 43-63). Araraquara: Junqueira & Marin.
Campos, M. L. I. L. (2013). Educação inclusiva para surdos e as políticas vigentes. Em C. B. F Lacerda e L. F. Santos (Org.), Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução a libras e educação de surdos (pp. 37-61). São Carlos: EdUFSCar.
Casa Civil (2015). Lei Nº 13.146, de 6 de julho 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília.
Casa Civil (2011). Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado. Brasília.
Casa Civil (2010). Lei 12.319, de 01 de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de tradutor e intérprete da língua brasileira de sinais - LIBRAS. Brasília.
Casa Civil (2008). Decreto nº 6.571, de 17 de setembro de 2008. Dispões dobre o Atendimento Educacional Especializado. Brasília.
Casa Civil (2005). Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e o artigo 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília.
Casa Civil (2004). Lei 10.845, de 5 de março de 2004. Institui o programa de complementação ao atendimento educacional especializado às pessoas portadoras de deficiência, e dá outras providências. Brasília.
Casa Civil (2002). Lei 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a língua brasileira de sinais: libras e dá outras providências. Brasília.
Casa Civil (1994). Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO.
Demo, P. (1998). A nova LDB: ranços e avanços. 6ª Ed. Campinas: Papirus.
Fontana, R., e Cruz, N. (1997). A abordagem histórico-cultural. Em R. Fontana e N. Cruz (Eds.), Psicologia e trabalho pedagógico (pp. 57-66). São Paulo: Atual.
Lacerda, C. B. F. (1998). Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos. Caderno CEDES, Campinas, 19(46), 68-80.
Lacerda, C. B. F., Santos, L. F., e Caetano, J. F. (2013). Estratégias metodológicas para o ensino de alunos surdos. Em C. B. F. Lacerda e L. F. Santos (Org.), Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução a libras e educação de surdos (pp.185-200). São Carlos: EdUFSCar.
Mendes, E. G. (2002). Perspectiva para a construção da escola inclusiva no Brasil. Em M. S. Palhares e S. C. F. Marins (Eds.), Escola inclusiva (pp.61-85). São Carlos: EdUFSCar.
Michel, M. H. (2005). Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais. São Paulo: Atlas.
Ministério da Educação do Brasil (2008). Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, 2008.
Ministério da Educação do Brasil (2001). Plano Nacional de Educação - PNE. Brasília: UNESCO, 2001.
Ministério da Educação do Brasil (1999). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: adaptações curriculares. Brasília: MEC/SEF/SEESP, 1999.
Ministério da Educação do Brasil (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.
Molena, J. C.; Andrade, P. G.; Veraszto, E. V. (2017). Indicadores da inclusão de alunos surdos em salas de aula regulares. Revista Electrónica De Enseñanza De Las Ciencias, 16(2), 257-279.
Moura, M. C. (2000). O surdo: caminhos para uma nova identidade. Rio de Janeiro: Revinter.
Nuernberg, A. H. (2008). Contribuições de Vigotski para a educação de pessoas com deficiência visual. Psicologia em estudo, Maringá, 13(2), 307-316.
Oliveira, W. D., Melo, A. C. C. e Benite, A. M. C. (2012). Ensino de ciências para deficientes auditivos: um estudo sobre a produção de narrativas em classes regulares inclusivas. Investigación en Educación en Ciencias [online], 7(1), 1-9.
Paiva, A. P. S. (2006). Utilizar as TIC para ensinar física a alunos surdos: estudo de caso sobre o tema "a luz e a visão". Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em ciências, São Paulo, 6(3), 1-28.
Patto, M. H. S. (2008). Políticas atuais de inclusão escolar: reflexão a partir de um recorte conceitual. Em J. C. S. Bueno, G. M. L. Mendes e R. A Santos (Orgs.), Deficiência e escolarização: novas perspectivas de análise (pp. 25-42). Araraquara: Junqueira & Marin.
Paula, H. F., e Lima, M. E. C. C. (2007). Educação em ciência, letramento e cidadania. Química nova na escola, São Paulo, 26(1), 3-9.
Pereira, L. L. S., Benite, C. R. M., e Benite, A. M. C. (2011). Aula de química e surdez: sobre interações pedagógicas mediadas pela visão. Química Nova na Escola, São Paulo, 33(1), 47-56.
Pereira, V. A., e Mendes, E. G. (2009). Análise conceitual da deficiência auditiva: perspectivas históricas e educacionais. Em M. P. R. Costa (Org.) Educação especial: aspectos conceituais e emergentes (pp. 29-32). São Carlos: EdUFSCar.
Prestes, Z. R. (2010). Quando não é quase a mesma coisa. Análise de traduções de Lev Sermionocitch Vigotski no Brasil. Repercussões no campo educacional (Tese de Doutorado). Faculdade de Educação, Brasília.
Queiroz, T. G. B., Silva, D. F., Macedo, K. G., e Benite, A. M. C. (2012). Estudo de planejamento e design de um módulo institucional sobre o sistema respiratório: o ensino de ciências para surdos. Ciência e Educação, Bauru, 18(4), 913-930.
Rego, T. C. (2010). A cultura torna-se parte da natureza humana. Em T. C. Rego (Ed.), Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação (pp. 37-83). Petrópolis: Vozes.
Reily, L. (2008). Fundamentos e pressupostos: cultura, linguagem, medição, ensino e aprendizagem. Em L. Reily (Ed.), Escola inclusiva: linguagem e mediação (pp. 13-23). 3ª Ed. Campinas: Papirus.
Richardson, R. J., Peres, J. A. S., Wanderley, J. C. V., Correia, L. M., e Peres, M. H. M. (2012). Pesquisa social: métodos e técnicas. 3ª Ed. São Paulo: Atlas.
Santos, L. F. (2007). O instrutor surdo em uma escola inclusiva bilíngue: sua atuação junto aos alunos surdos no espaço da oficina de Língua brasileira de sinais (Dissertação de Mestrado). UNIMEP, Piracicaba.
Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico. 23ª Ed. São Paulo: Cortez.
Supremo Tribunal Federal (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Supremo Tribunal Federal, Secretaria de Documentação (versão completa de 2018) (pp. 530).
Silva, A., e Lima, C. V. P. (2007). O papel do intérprete escolar. Em M. F. M. Damázio (Ed.), Atendimento educacional especializado: pessoa com surdez (pp. 49-52). Curitiba: Cromos.
Souza, S. F., e Silveira, H. E. (2011). Terminologias químicas em libras: a utilização de sinais na aprendizagem de alunos surdos. Química Nova na Escola, São Paulo, 33(1), 37-46.
Veer, R. V. D., e Valsiner, J. (1996). Defectologia. Em R. V. D. Veer e J. Valsiner (Orgs.), Vygotsky: uma síntese (pp. 73-92). São Paulo: Edições Loyola.
Veraszto, E. V.; Camargo, E. P.; Camargo, J. T. F.; Simon, F. O.; Miranda, N. A. (2018). Evaluation of concepts regarding the construction of scientific knowledge by the congenitally blind: an approach using the Correspondence Analysis method. Ciência & Educação, 24(4), 837-857.
Veraszto, E. V., Silva, D., Camargo, E. P., e Barros Filho, J. (2013). Concepções de tecnologia de graduandos do estado de São Paulo e suas implicações educacionais: breve análise a partir de modelagem de equações estruturais. Ciência & Educação, 19(1), 761-779.
Vigotski, L. S. (1997). Obras Escogidas: V Fundamentos de Defectología. Editora Aprendizaje Visor. 2ª Ed. Madrid.
Publicado
2019-11-03
##submission.howToCite##
GAIA DE ANDRADE, Priscilla; MOLENA, Juliane Cristina; VIZCONDE VERASZTO, Estéfano. Análise do processo de ensino-aprendizagem com discentes surdos no ensino de ciências: uma revisão dos trabalhos publicados na área na última década. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, [S.l.], v. 18, n. 2, p. 361-386, nov. 2019. ISSN 1579-1513. Disponible en: <http://revistas.educacioneditora.net/index.php/REEC/article/view/352>. Fecha de acceso: 29 ene. 2023

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##